Mídia Censurada

Realidade censurada, verdade oculta. E mais algumas curiosidades…

Arquivo para o mês “fevereiro, 2012”

Twitter, cadê a liberdade de expressão?

Esta semana o Twitter divulgou que vai bloquear mensagens de conteúdo inadequado, conforme as regras de cada país. Até então a rede social deletava a mensagem da rede mundial. A partir de agora, o twitter bloqueia a mensagem apenas para os usuários de um determinado país. Porém, os usuários serão avisados quando o conteúdo for censurado.

“A partir de hoje, nos damos a capacidade de reter conteúdo reativamente para usuários de um país específico, mas mantê-lo disponível para o restante do mundo”, diz o comunicado.

No Brasil, o governo entrou com um pedido para o twitter limitar mensagens relacionadas ao trânsito, como bloqueio de estradas, limites de velocidade e até blitz para checagem de motoristas embriagados. O objetivo é melhorar a fiscalização, dificultar a ação de ladrões e impedir pessoas com mercadorias ilegais de evitar as blitzes.

Houveram protestos de twitteiros na rede social, fazendo com que o #censuratwitter se torna-se um TT’s (Trending Topics – assuntos mais comentados na semana). O argumento é que o twitter que defendia a liberdade de expressão, teria aceitado a censura dos governos para garantir sua expansão mundial.

Devassa: Bem loura… e censurada.

Quando se fala em propaganda censurada, muitos se lembram do problema que a cerveja Devassa encontrou com o comercial da Paris Hilton.

Quando a propaganda foi ao ar, o CONAR (Concelho Nacional de Autoregulamentação Publicitária) proibiu o comercial com a loira devido a denúncias de grupos feministas e consumistas que ficaram incomodados com o rebolado sensual de Paris.

Com repercussão no exterior, todo mundo se perguntou o por que da censura, já que o Brasil é um país liberal em relação á mulheres rebolando na televisão.

A Mood, agência responsável pela publicidade, montou um novo comercial: censurado.

Neste novo comercial, o filme se inicia com um texto de abertura pedindo desculpas a quem se sentiu ofendido com o primeiro comercial. Em seguida, o desenho da mulher da cerveja aparece com uma tarja nos peitos.

A mudança foi também com Paris Hilton, que antes aparecia dançando com um vestido curto e sendo fotografada, desta vez aparece apenas seu rosto por alguns segundos.

Veja a versão censurada pelo Conar:

Após a censura:

 

E você? Ficou com vontade de tomar a cerveja ou se sentiu ofendido pela propaganda?

Desistindo da censura no BBB 12

Após a polêmica de Daniel e Monique, a direção do programa tomou um cuidado maior ao mostrar imagens dos Brothers que costumam frequentar o edredom com uma companhia.

Há um tempo atrás houveram boatos de que a cama de Renata e Ronaldo esquentou, mas a cena não foi mostrada na Globo. No Twitter, pessoas falaram que a movimentação dos dois estava interessante, mas a transmissão no PPV foi cortada e só voltou quando os dois dormiram. Vários vídeos abordando o tema foram postados no YouTube, mas logo foram removidos.

Diferente do que acontecia em edições anteriores, este ano foi decidido não mostrar imagens de casais em momentos íntimos.

Porém, semana passada, quem acompanha o programa Big Brother Brasil no PPV, conseguiu assistir o quente momento de Yuri e Laisa embaixo do edredom no quarto do líder. A partir do momento em que Yuri pede pra ela mudar de posição, a câmera pára de transmitir a imagem e passa a mostrar outro cômodo da casa.

A notícia gerou uma surpresa ao público, pelo fato de que imagens quentes não podem ser vistas no PPV e nem na Globo.

Depois de tantas reclamações nas redes sociais, a emissora resolveu liberar um pouco dos momentos íntimos do casal, que sempre fizeram sucesso.

E você? É a favor ou contra as emissoras transmitirem momentos íntimos dos Brothers?

Isso seria um problema ou um benefício para as próximas edições?

Vilém Flusser em “A Filosofia da Caixa Preta”

O filósofo Flusser  foi o primeiro a olhar e filosofar, em 1983, sobre a máquina fotográfica.

Em sua teoria, ele explica que a imagem, nos tempos modernos, ganhou uma grande importância, podendo substituir textos e outros documentos que eram considerados importantes. A informação que a imagem passa pode ser variada: o que o fotógrafo quer passar pode ser diferente do que a informação que o receptor entende.

Assim, ele foca na imagem técnica, ou seja, a imagem produzida por aparelhos, considerada uma evolução na forma de visualizar, pensar e enxergar uma imagem. A imagem passa a ser considerada um signo, ou seja, passa a representar alguma coisa para alguém.

O termo “caixa-preta” se refere a câmera escura, que é um aparelho tecnológico inacessível as pessoas “comuns”. O “escuro” significa o contrário de claro, de fácil entendimento, pelo fato dela possuir funções desconhecidas. Como não possuimos o conhecimento, não conseguimos branqueá-la.

Segundo Flusser, se não temos conhecimento do interior da caixa preta,passamos a fazer parte de uma grande massa, tornamos um indivíduo que obedece ao sistema, submetido às regras. Indivíduos que se utilizam do mesmo recurso, gerando uma padronização, tornando as coisas previsíveis. Ou seja, as pessoas passam a produzir as mesmas coisas, com o mesmo recurso gerando coisas repetitivas. No ponto de vista do autor, a tecnologia tem enfraquecido o ato de pensar dos homens: quanto mais facilidade, mais alienadas e acomodadas as pessoas ficam, deixando a tecnologia comandar suas vidas.

A única forma de conseguir sair deste sistema seria decodificar e branquear a caixa preta. Assim, poderíamos interferir no sistema e torná-lo previsível. Ao mesmo tempo, ele defende que todos deveriam virar produtores de conteúdo, adquirindo repertório, acompanhando o progresso da técnologia e não ser apenas usuários do sistema, obdecendo as regras.

Neste blog vamos debater sobre as pessoas que tentaram sair deste sistema, fugir desta alienação:  os censurados, retirados do ar, proibidos e processados.

 

 

Navegação de Posts